Arquivo de 6/set/2008

Podagra – O que é?

Categoria(s): Dicionário, Distúrbios metabólicos, Distúrbios osteoarticulares


Dicionário

Podagra é a inflamação da primeira articulação metatarsofalangina (hálux=dedão do pé) e é a primeira manifestação clínica da gota úrica em 75% a 90% dos casos. Embora a podagra seja mais comum em pacientes com gota, também é encontrada em outras doenças, como sarcoidose, artrite psoriática, doença de deposição de pirofosfato de cálcio (pseudo-gota) ou trauma.

Tags: , , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Podagra – Como tratar?

Categoria(s): Cuidados alimentares, Distúrbios Inflamatórios, Distúrbios metabólicos, Distúrbios osteoarticulares, Emergências


Tratamento

No tratamento da podagra, que é uma crise da gota úrica, o medicamento indicado é a colchicina. Não devendo ser utilizada nos casos dos pacientes que tenham recebido profilaxia recente com colchicina ou naqueles com diminuição da função renal ou hepática. A colchicina tem sido usada com sucesso há mais de 100 anos no tratamento da artrite aguda relacionada a gota, porém deve ser utilizada em pequenas doses, pois é freqüente os sintomas de desconforto gastrintestinais. Nos casos de grande inflamação articular pode-se aplicar injeções intra-articulares com corticosteróides para alívio da dor e diminuição do processo reacional inflamatório, permitindo ao paciente a deambulação.

Drogas antiinflamatórias não-esteroides (ibuprofeno, fenilbutazona, indometacina) devem ser evitadas pelo risco de diminuir ainda mais a já prejudicada taxa de filtração glomerular.

Tags: ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Ácido úrico elevado – Sempre deve ser tratada?

Categoria(s): Distúrbios metabólicos, Distúrbios osteoarticulares


Tratamento

Não, os níveis elevados de ácido úrico não provocam falência renal e, portanto, não há justificativa para se tratar a hiperuricemia assintomática; contudo, se o paciente tem sofrido gota recorrente, os níveis de ácido úrico devem ser normalizados. Porém, tanto na hiperuricemia assintomática primária como na secundária, deve se introduzir terapêutica quando há presença de níveis elevados de hiperuricemia, acima de 9 mg%, uma vez que estudos epidemiológicos têm demonstrado uma freqüência mais alta de complicações e associações patológicas acima deste nível.

Tags:


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Page 1 of 212