Arquivo de 18/jul/2009

Sapinho – O que é?

Categoria(s): Distúrbios imunológicos, Infectologia


Estomatite cremosa
A estomatite cremosa, conhecida vulgarmente por sapinho, é uma lesão causada por um fungo do gênero da Candida, comumente observada na mucosa da boca de lactentes e na mucosa vaginal de gestantes. As lesões são constituídas por placas esbranquiçadas, circulares ou ovais, isoladas ou confluentes que podem comprometer toda a extensão da superfície das mucosas acometidas, recobrindo-as com “manto” esbranquiçado. As lesões podem localizar-se no palato, faringe, laringe, língua ou comissuras labiais (queilite angular). Este tipo de fungo oportunista, surge causando doença nas mucosas de pessoas imunodeprimidas, sob uso de quimioterapia anti-câncer, anti-doenças imunológicas e nos diabéticos descontrolados.

Algumas pessoas desnutridas e com deficiência vitamínica podem apresentar este tipo de infecção oportunista pelo fungo.

Tratamento – O tratamento é com anti-micóticos via oral e local, assim como melhorar o estado nutricional e o controle dos diabéticos.

A QUEM CONSULTAR – O tratamento deste tipo de infecção pode ser feito por médicos clínicos gerais e médicos que estejam conduzindo o caso, como endocrinologistas, reumatologistas e oncologistas.

Tags: , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Método Pilates – Condicionamento físico e mental

Categoria(s): Atividade física, Dicionário, Distúrbios osteoarticulares, Terapias complementares


Entendendo o assunto

Colaboradora : Sandra Chiavegato Perossi

* Fisioterapêuta, especializada no método Pilates, Pós-graduada do Curso Saúde e Medicina Geriátrica – METROCAMP

pilatesO Método Pilates foi idealizado por Joseph Pilates e é um programa completo de condicionamento físico e mental que tem como objetivo melhorar o equilíbrio entre a performance e esforço, através da integração do movimento, a partir do centro estável e sinestesia realçada. Trabalha o corpo como um todo – corrige a postura e realinha a musculatura, desenvolvendo a estabilidade corporal necessária para uma vida mais saudável e longeva (Steers, 2006).

Joseph Pilates juntou os melhores aspectos das disciplinas dos exercícios orientais e ocidentais, e é o equilíbrio desses dois mundos. Do Oriente, Pilates trouxe as filosofias de contemplação, relaxamento e a ligação entre corpo e mente. Do Ocidente, trouxe a ênfase no enrijecimento muscular e a força, a resistência e a intensidade de movimento. Seu método utiliza o corpo inteiro, e não apenas uma parte dele. Usando o corpo inteiro, equilibra-se o uso de grandes músculos superficiais com profundos e pequenos músculos de resistência, responsáveis por manter a força interior (Craig, 2003).

Seus princípios são: relaxamento, concentração, alinhamento, respiração, coordenação e resistência.

Os benefícios deste método são: aumento de força, maior controle muscular, integração corpo e mente, melhora da capacidade respiratória, aumento da flexibilidade, fortalecimento, correção da postura, reestruturação do corpo, prevenção de lesões, aumento da consciência corporal, aumento da auto-estima e alivio de dores musculares (Camarão, 2004).

Pilates considerou a área abdominal em conjunto com os músculos profundos da coluna, bem como os centros de força do corpo, “casa de força” (Powerhouse) que é a área entre as costelas superiores e a pélvis.

Um dos princípios fundamentais do método Pilates é que a “casa de força” é o centro de todo movimento: quanto mais forte a casa de força, mais poderoso e eficiente é o movimento. Portanto, antes de cada exercício de Pilates, um centro é recrutado, empurrando delicadamente o umbigo e contraindo os músculos profundos do abdômen. O objetivo é manter o centro corporal estável enquanto os movimentos de braços e pernas são executados com precisão.

Os três músculos abdominais (o reto abdominal, os oblíquos externos e internos e o transverso abdominal) trabalham com os músculos da coluna (os mais importantes são os multífidos e o quadrado lombar) para formar o centro de força. Os praticantes do método Pilates também incluem o assoalho pélvico na “casa de força” pela forma que este arranjo de músculos e ligamentos conecta-se ao sistema nervoso central dos músculos profundos abdominais. Localizados na partem de baixo da pélvis, o assoalho pélvico consiste de músculos utilizados para controlar o fluxo da urina e impurezas sólidas do corpo. Fortalecer estes músculos nas pessoas idosas é importante, pois neste período a incontinência urinária e fecal é muito freqüente (Craig, 2004).

Influência na Postura

A postura incorreta faz mais do que diminuir a auto confiança e a dignidade: obstrui a respiração, tensiona os músculos e ligamentos e pode afetar adversamente as articulações da coluna, propensas a artrite, artrose e dor generalizada. As alterações de postura do idoso são: cifose constituída pela cifose dorsal e cervical – a cabeça é projetada para frente e os ombros ficam cronicamente curvados, repuxando apenas os músculos do pescoço; diminuição da curvatura lombar; aumento do ângulo de flexão do joelho e o deslocamento da articulação coxofemoral para trás e a inclinação do tronco para frente.

A rigidez articular e muscular que se instala nos idosos será trabalhada através dos exercícios do método Pilates, assim como a tensão em trapézios e paravertebrais que em conjunto com a “casa de força” levará a uma postura mais alongada.

Vários músculos do sistema respiratório estão inseridos nas vértebras lombares e cervicais e nas costelas influenciando a postura. O diafragma é um músculo respiratório que separa o tórax do abdomen. Quando a “casa de força” nos exercícios do método Pilates é acionada através da respiração, o diafragma é trabalhado levando inclusive a um relaxamento e gerando uma postura correta.

Influência na flexibilidade

Nos exercícios de Pilates os alongamentos são estimulados sempre, levando a uma maior flexibilidade do corpo. Com o envelhecimento, torna-se maior o número de ligações de colágeno intra e intermolecular, o que dificulta o “deslizamento” das proteínas. O tecido fica mais rígido, menos elástico e mais propenso a lesões. Com um estilo de vida pouco ativo, o envelhecimento, a imobilização e as doenças neuromusculares diminuem o tamanho e a quantidade de tecido colágeno. Conseqüentemente, o tecido muscular se enfraquece e a elastina aumenta proporcionalmente. Dessa forma, o tecido combina a elasticidade com a fraqueza.

Uma vida ativa é primordial para manter a homeostase entre a síntese de colágeno e sua degradação. A síntese do colágeno depende da habilidade da célula em transmitir a força mecânica em uma ação bioquímica.

Sabe-se que exercícios de alongamento estimulam a renovação de colágeno para suportar maior estresse. Além disso, melhoram a homeostase entre as glicosaminas e a água, conservam o espaçamento interfibrilas e diminuem as condições favoráveis a formação de adesões (Achour Jr, 2006).

Nos diabetes do idoso as regiões mais limitadas de flexibilidade são as falanges e os ombros. Achour (2006) relata que Jósza & Kannus (1997) revisaram várias pesquisas, evidenciando que os diabetes também afeta o tendão.

Assim, observamos que os exercícios de Pilates ajudam ao idoso com diabetes trabalhando com alongamentos e exercícios de força para melhorar a flexibilidade e a força em ombros e tendões.

Articulações mal alinhadas e frouxas facilitam a instalação de lesões e osteoartroses nos idosos. Há revisões de literatura (Achour Jr, 2006) em que se observou que lesões nos ligamentos colaterais e lesões do menisco associavam-se ao desenvolvimento da osteoartrose em idades prematuras.

Instalada a osteoartrose no joelho e quadril, ela aumenta o custo energético para determinado esforço, dificultando a subida e descida de escadas. Em algumas situações, pode impedir a movimentação até em atividades simples como jardinagem e passeios em parques.

O idoso consegue eliminar a rigidez da osteoartrose e grande parte da dor mediante a pratica contínua de exercícios de Pilates, ativando assim a circulação e diminuindo os espasmos musculares.

É importante para o idoso manter índices de flexibilidade, porque com isso consegue-se interromper a redução natural da flexibilidade. Assim os efeitos dos exercícios de alongamento são positivos independentes do aumento da flexibilidade (Achour Jr, 2006).

Influência na Osteoporose

Na osteoporose há muita fragilidade do esqueleto e maior suscetibilidade à fratura após pequenos traumas, além de dores nas costas devido a contraturas musculares ou por microfraturas e deformidade da coluna com diminuição da altura da pessoa. Geralmente o fêmur e a coluna são as mais acometidas.

Nos exercícios de Pilates trabalha-se com exercícios de fortalecimento dos músculos envolvidos com estas estruturas e de extensão da coluna visando melhora da força muscular, condicionamento físico e coordenação (Frontera, 2001).

“Se aos 30 anos você está sem flexibilidade e fora de forma, você é um velho. Se aos 60 anos você é flexível e forte, você é um jovem” (Joseph Pilates)

Referências:

Achour Junior, Abdallah – Exercícios de alongamento – Manole Editora, São Paulo, SP, 2006.
Camarão, Teresa – Pilates no Brasil – Editora Alegro – Rio de Janeiro – RJ, 2004.
Craig, Collen – Pilates com Bola – Editora Phorte – São Paulo – SP, 2003.
Craig, Collen – Abdominais com Bola – Editora Phorte – São Paulo – SP, 2004.
Frontera, Walter R. – Exercícios Físicos e Reabilitação – Artmed – São Paulo – SP, 2001

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Rolfing – Em busca do equilíbrio

Categoria(s): Terapias complementares


Resenha

Dra Ida Rolf

Na década de 1920, Ida Rolf, bioquímica norte-americana, começou a estudar métodos de terapia que relacionassem a estrutura e a função motora, como yoga, quiropraxia e osteopatia, para tentar ajudar o filho que sofrera um grave acidente. Essa pesquisa resultou no método que ela chamou de Integração Estrutural e que seus alunos apelidaram de rolfing.

O rolfing age liberando os segmentos corporais de padrões de tensão adquiridos ao longo da vida. Uma disfunção em uma parte do corpo pode ocasionar distúrbios em todo conjunto músculo esquelético. por exemplo, um artrose de joelho pode modificar o modo de andar, alterando o movimento do quadril, que modifica a estrutura da vertebral lombar, ocasionando escoliose (desvio lateral da coluna). Como esse processo é constante e, muita vezes, inconsciente, gradativamente afasta do estado ideal de equilíbrio.

Ida Rolf fez uma descoberta importante sobre a constituição do corpo humano: a plasticidade das fácias, que são os tecidos conjuntivos que suportam os músculos e mantém a relação deles com os ossos, determinando, basicamente, a forma do corpo. Esta malha de tecido conjuntivo que envolve e conecta os músculos aos ossos através dos tendões é conhecido, atualmente, como esquelo fibroso.

Quando o músculo é sobrecarregado por alguma razão, a fáscia absorve parte dessa carga, impedindo que o músculo se rompa. Porém,  num esforço contínuo e excessivo, a fáscia se torna mais densa e curta. Isso faz com que ela perca a elasticidade e plasticidade, por inflamações dessa fáscias (fasciítes), mudando gradativamente,a  estrutura corporal.

Entretanto, descobriu-se que as fáscias podem ser modificadas, pela aplicação de energias naforma de pressão e calor. Assim, elas tornam-se mais maleáveis, permitindo que as estruturas contidas no seu tecido alterem seu alinhamento e se adaptem numa relação mais harmoniosa com as partes adjacentes do corpo.

A técnica consiste em aplicar uma pressão profunda sobre determinado local, de forma a alongar e “amolecer” a fáscia, permitindo que os músculos voltem a ter uma relação equilibrada e que o corpo se liberte das comprensações que o afastaram da postura ideal. Assim, o corpo não precisa mais gastar tanta energia para realizar os movimentos e ser dor por isso.

Técnica -O trabalho inicia-se com a observação e análise da estrutura corporal e de seus padrões de movimento. Cada sessnao focaliza uma parte do corpo, sendo que todas têm um pouco de trabalho de costas e cabeça. “As costas costumam ser uma área de muita tensão, que não pode ser feita de uma vez só. A fáscia do pescoço, especialmente da nuca, deve ser trata aos poucos, por ser muito espessa.

O rolfing é aplicado em uma série de dez sessões, em uma sequência lógica em que cada sessão tem objetivos específicos e diferentes níves de profundidade. O intervalo entre as sessões varia de acordo com a necessidade e possibilidade de cada paciente. Sem perder de vista a integração do corpo como um todo. Os resultados vão sendo atingidos a cada sessão e sedimentados de forma cumulativa. como o número de sessões é limitado, o terapeuta deve ensinar e pedir que o paciente execute exercícios de alongamento e fortalecimento em casa.

Benefícios – O rolfing melhora a flexibilidade da postura, da amplitude do movimento das articulações, da circulação  e da respiração. Alivia as dores, diminui o estresse e as tensões causadas pelas dores na região, e determina um aumento da consciência corporal e do equilíbrio físico e emocional. Os efeitos permanecem após o tratamento. Entretanto, recomenda-se que em 6 meses e uma ano depois, o paciente faça módulos de 3 a 5 sessões, para manutenção dos resultados.

Contra-indicações – O rolfing não deve ser feito na vigência de processos inflamatórios, em que sofre de cardiopatias e pneumopatias graves.

O Holfing pode ser usado em qualquer fase da vida, mesmo nas gestantes,  quando presta uma contribuição importante, pois na gestação, ocorrem alterações nos tecidos – especialmente das regiões abdominal e lombar – que o terapeuta atuando nestas regiões de desconforto, aliviam a tensão do gravidez. O ideal é que a mulher procure o terapeuta de rolfing um mês após o parto, afim de verificar como está o seu esquema corporal apósa as mudanças sofridas durante a gestação.

Veja mais sobre –

Fáscia – esqueleto fibroso do corpo

Método Rolfing por Ida Rolf

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Page 1 of 212