Arquivo de 4/jul/2010

Truncus arteriosus comunis – O que é?

Categoria(s): Distúrbios cardiocirculatórios


Cardiopatia congênita

TRUNCUS ARTERIOSUS COMUNIS

O truncus arteriosus é um canal que origina do coração de um orifício único e emite ramos para as coronárias e para as circulações do corpo e dos pulmões. Como o próprio nome sugere, nessa anomalia existe uma única grande artéria, que envia o sangue para a grande circulação (do corpo) e pequena circulação (dos pulmões).

O truncus arteriosus comunis é uma malformação cardíaca relativamente rara, representando cêrca de 2% de todas as cardiopatias congênitas. Os pacientes apresentam evolução desfavorável em sua história natural, com mortalidade de 50% no primeiro mês é de 80% no final do primeiro ano de vida, decorrente da instalação precoce de insuficiência cardíaca congestiva consequente ao excessivo fluxo sangüíneo imposto aos pulmões.

Dos 20% sobreviventes cêrca de 1/3 desenvolvem doença vascular pulmonar obstrutiva de grau tão importante que os tornam inoperáveis aos 4 ou 5 anos de idade.

SINTOMATOLOGIA

Os sinais e sintomas dependem da importância do fluxo pulmonar. Os recem-natos com truncus são cianóticos, hipotônicos, são pouco ativos e suam abundantemente. A dispnéia (falta de ar) é importante, e são propensos a infeção pulmonar de repetição. Podem ter crises de hipóxia sem intensa cianose. O coração é aumentado de tamanho e hiperdinâmico. Os pulsos e a pressão sangüínea são normais. A ausculta revela sopro cardíaco de moderada intensidade.

ECG – O eletrocardiograma mostra hipertrofia de um ou dos dois ventrículos.

Radiologia – O truncus não mostra uma silhueta típica no coração. Nos lactentes, o coração pode esta aumentado ou em posição horizontal e escavação do arco da artéria pulmonar. Um recem-nato com insuficiência cardíaca mostra uma silhueta cardíaca arredondada por dilatação, derrame pericárdico ou ambos. As crianças maiores pode ter uma imagem cardíaca parecida com a tetralogia de Fallot (coração em bota), com rede vascular pulmonar normal ou com coração vertical alongado, com grande dilatação das artérias pulmonares, assim com a via de saída da pulmonar convexa e aumento do enchimento dos ramos pulmonares.

Hemodinâmica – O cateter, introduzido por uma veia até o ventrículo direito, pode revelar a existência de uma comunicação interventricular) CIV com curto circuito nas duas direções (ventrículo direito e ventrículo esquerdo) e pressões elevadas e iguais em ambos os ventrículos. Se o cateter atingir o tronco e possível examinar os ramos pulmonares e aórticos. A injeção de contraste em um dos ventrículos permite a identificação do orifício truncal único.

Referência:

TRUNCUS ARTERIOSUS COMUNIS
Armer RM, De Oliveira PF, Lurie PR – True truncus arteriosus: Review of seventeen cases and report of surgery in seven patients.
Circulation,1961;24:878-81.
Collet RW, Edwards JE – Persistent truncus arteriosus: A classification according to anatômic types. Surg Clin North Am,1949;29:1245-70.
Bruins C, Dekker A – Tronco arterial. In Watson H – Cardiologia Pediatrica. Barcelona, Salvat, 1970. p.712-722.

Tags: , ,


Veja Também: