Arquivo de Distúrbios do equilíbrio

MUSICOTERAPIA – Quando está indicada?

Categoria(s): Distúrbios do equilíbrio, Distúrbios neurológicos, Distúrbios psiquiátricos


MUSICOTERAPIA – Quando está indicada?

Através da música, o indivíduo aprende a lidar com sentimentos, apresentando sucesso em tratamentos como a depressão, ansiedade e hiperatividade.  Promove o aprendizado, a expressão e a mobilização, sendo utilizado em pessoas com autismo, paralisias, sequelas de derrames, deficiência mental, transtornos da fala.

O processo da musicoterapia também pode ser aplicado a gestantes, proporcionando melhorar a comunicação e o relacionamento com os bebês, desde a gestação, além de auxiliar na hora do parto.

 

Tags: , , , , , , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Menopausa – Qual o efeito sobre o equilíbrio?

Categoria(s): Atuação Preventiva, Distúrbios do equilíbrio, Distúrbios endócrinos


Efeito sobre o sistema labiríntico

As mulheres na pós-menopausa com sintomas vasomotores estão mais predispostas aos distúrbios de equilíbrio por perda perde dos efeitos positivos deste hormônio na homeostase cerebral. O hipoestrogenismo parece acarretar o aumento do risco de quedas e fraturas devido à instabilidade no sistema nervoso central que altera as condições de equilíbrio.

Tratamento hormonal – As mulheres menopausadas sofrendo de crises vertiginosas se beneficiam com o tratamento hormonal, pois o estrogênio exerce o efeito protetor direto na sobrevivência dos neurônios. Percebe-se que o tratamento fisioterápico das “labirintites” são mais eficazes na mulhere com terapia de reposição hormonal, pois o hormônio preserva da plasticidade e trofismo em diversas populações de neurônios dos sistemas nervoso central e periférico. Em conclusão, a TRH pode prevenir as crises labirínticas e as quedas nas idosas.

Obs – O termo correto é labirintopatias e não labirintite que é uma condição específica de inflamação do orgão do equilíbrio labirinto.

Tags: , , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Ouvido – Como é constituído?

Categoria(s): Cuidados preventivos, Distúrbios do equilíbrio


Revisão

ouvido

O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear ou estato-acústico. A maior parte da orelha fica no osso temporal, que se localiza na caixa craniana. Além da função de ouvir, o ouvido também é responsável pelo equilíbrio.

A orelha está dividida em três partes: orelhas externa, média e interna (antigamente denominadas ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno).

A orelha externa é formada pelo pavilhão auditivo (antigamente denominado orelha) e pelo canal auditivo externo ou meato auditivo. Todo o pavilhão auditivo (exceto o lobo ou lóbulo) é constituído por tecido cartilaginoso recoberto por pele, tendo como função captar e canalizar os sons para a orelha média. O canal auditivo externo estabelece a comunicação entre a orelha média e o meio externo, tem cerca de três centímetros de comprimento e está escavado em nosso osso temporal. É revestido internamente por pêlos e glândulas, que fabricam uma substância gordurosa e amarelada, denominada cerume ou cera. Tanto os pêlos como o cerume retêm poeira e micróbios que normalmente existem no ar e eventualmente entram nos ouvidos. O canal auditivo externo termina numa delicada membrana – tímpano ou membrana timpânica – firmemente fixada ao conduto auditivo externo por um anel de tecido fibroso, chamado anel timpânico.

A orelha média começa na membrana timpânica e consiste, em sua totalidade, de um espaço aéreo – a cavidade timpânica – no osso temporal. Dentro dela estão três ossículos articulados entre si, cujos nomes descrevem sua forma: martelo, bigorna e estribo. Esses ossículos encontram-se suspensos na orelha média, através de ligamentos. O cabo do martelo está encostado no tímpano; o estribo apóia-se na janela oval, um dos orifícios dotados de membrana da orelha interna que estabelecem comunicação com a orelha média. O outro orifício é a janela redonda.

A orelha média comunica-se também com a faringe, através de um canal denominado tuba auditiva (antigamente denominada trompa de Eustáquio). Esse canal permite que o ar penetre no ouvido médio. Dessa forma, de um lado e de outro do tímpano, a pressão do ar atmosférico é igual. Quando essas pressões ficam diferentes, não ouvimos bem, até que o equilíbrio seja restabelecido.

A orelha interna, chamada labirinto, é formada por escavações no osso temporal, revestidas por membrana e preenchidas por líquido. Limita-se com a orelha média pelas janelas oval e redonda. O labirinto apresenta uma parte anterior, a cóclea ou caracol – relacionada com a audição, e uma parte posterior – relacionada com o equilíbrio e constituída pelo vestíbulo e pelos canais semicirculares.

Referências:

Piteira,M.R. e col. – Sistema Nervoso Periférico – Universidade Nova de Lisboa –Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2006 [on line]

Neves V.T., Feitosa M.A. – Envelhecimento do processamento temporal auditivo – 2002 – [on line]

Tags: , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Page 1 of 3212345...102030...Last »