Suplemento energético – Creatina

Categoria(s): Alimentos funcionais, Cuidados alimentares, Programas de saúde, Terapias complementares


Suplemento energético – Creatina

Em indivíduos saudáveis, a suplementação de substâncias ergogênicas, como a creatina, é utilizada para aumentar a tolerância ao exercício, postergar a fadiga, ou estimular a síntese protéica muscular, visando assim à melhora do desempenho físico.

A creatina é um nutriente encontrado em alimentos, como peixes e carnes, podendo ser sintetizado endogenamente no fígado, rins e pâncreas a partir de outros aminoácidos (glicina, arginina e metionina). A maior parte da creatina está no músculo esquelético, sob a forma de fosfocreatina. A fosfocreatina é a primeira reserva energética degradada durante atividades de alta demanda energética, que variam de dez segundos a cerca de um minuto, porém seus estoques são ressintetizados em poucos minutos, o que a torna importante em exercícios intermitentes.

A suplementação de creatina tem sido muito utilizada por atletas. Contudo, evidências recentes indicam que a creatina pode ser útil no tratamento de doenças, principalmente naquelas que resultam em atrofia e fadiga muscular. Outro aspecto relevante, que justificaria o uso da creatina em pacientes com doenças pulmonares crônicas, é que esta população apresenta redistribuição dos tipos de fibras musculares, com predomínio de fibras do tipo II, que se caracterizam por contrações rápidas e apresentam maior capacidade anaeróbia que as do tipo I. Estudos apontam que as fibras do tipo II apresentam maior utilização de fosfocreatina durante o exercício. Desta forma, a suplementação de creatina pode ser uma alternativa válida, juntamente com o treinamento físico, no intuito de diminuir a intolerância ao exercício.

A creatina é um composto que contém carbono, hidrogênio e nitrogênio, sintetizado nos rins, pâncreas e fígado a partir de três aminoácidos: glicina, arginina e metionina. Sua biossíntese envolve a ação de duas enzimas, a arginina:glicina amidinotransferase (AGAT) e a guanidinoacetato metiltransferase (GAMT). Diariamente aproximadamente 2g de creatina são convertidas, através de reação não-enzimática, em creatinina que atravessa livremente a membrana celular sendo posteriormente excretada pelos rins. A creatinina pode ser dosada no sangue e serve como parâmetro de avaliação da função renal.

Referência:

Casey A, Greenhaff PL. Does dietary creatine supplementation play a role a role in skeletal muscle metabolism and performance? Am J Clin Nutr. 2000;72(2 Suppl):607S-17S.

Tags: , , , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Arginina – Propriedades (Parte 5)

Categoria(s): Terapia antioxidante


Ortomolecular

A arginina está presente na síntese de uréia, sendo essencial para desintoxicação do organismo por compostos derivados da amônia. A síntese protéica e dos compostos creatina e fosfocreatina ocorrem com o aminoácido Arginina. A creatina quando fosforilada fornece energia aos músculos, na forma de ATP. A creatina é muito utilizada por desportistas, principalmente adeptos da musculação.

Tags: , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email