Pré-eclâmpsia – O que é?

Categoria(s): Distúrbios cardiocirculatórios, Emergências


Dicionário

As gestantes após a vigésima semana gestacional que apresente aumento da pressão arterial, inchaço nas pernas (edema) e perda de proteína na urina, está tendo um quadro demoninado de pré-eclâmpsia. Nos casos que apresente também, convulsões o quadro recebe a denominação médica de eclâmpsia. Os dois quadros são graves e necessitam de cuidados imediatos em regime de internação, porém este último, a eclâmpsia, é mais grave com risco de morte para a gestante e o bebe.

Considera-se hipertensão arterial na gestante quando a pressão diastólica (pressão mínima) sobe 15 mmHg ou mais da pressão diastólica do início da gestação, ou sistólica (pressão máxima) sobre acima de 30 mmHg.

Como a pressão arterial pode passar sem sintomas, o mesmo acontecendo com a perda de proteína na urina, é muito importante que estes dois dados sejam sempre investigados nas consultas de pré-natal.

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Doença de Peyronie – Quais as doenças associadas?

Categoria(s): Distúrbios Inflamatórios, Distúrbios urogenitais, Sexualidade e DST


Associações

Dupuytren

O envelhecimento, a hipertensão arterial e o diabetes estão associados à DP e à DE, embora não existam correlações entre a severidade da curvatura peniana e essas comorbidades. A doença de Dupuytren, caracterizada por nódulos fibróticos na fascia palmar, que deixa fletidos os dedos 4 e 5 da mão (veja figura ao lado), é diagnosticada em 15% a 20% dos pacientes com DP.

Os sintomas da doença de Peyronie são: presença de placa ou fibrose; curvatura peniana durante a ereção, dor peniana e disfunção erétil.

Referências:

Usta MF at al. – Relationship between the severity of penile curvature and the presence of comorbities in men with Peyronie’s disease. J Urol 2004;171:775-779.
Gholani SS at al.- Peyronie’s disease: A review. J Urol 2003; 169:234-241.

Tags: , , ,


Veja Também:

Comentários     Envio por Email Envio por Email


Policitemia vera – Quais os sintomas?

Categoria(s): Distúrbios cardiocirculatórios, Distúrbios hematológicos


Manifestações clínicas

Após longo período sem nenhum sintoma, os pacientes podem apresentar cefaléia, prurido, dispnéia, hipertensão, gota úrica e úlcera péptica (5% a 10% dos casos). Durante o curso da doença, é comum a ocorrência de tromboses, devido ao aumento da viscosidade sanguínea, da estase sanguínea vascular* e da plaquetose (aumento das plaquetas). O infarto miocárdico, pulmonar e cerebral e as tromboses periféricas são freqüentes, podendo atingir, em alguns estudos, 30% a 40%. Essas ocorrências se devem a tromboses em artérias de médio e pequeno calibre, sendo maior nos pacientes tratados somente com flebotomias (retirada de sangue). As tromboses em artérias de grande calibre e as alterações na função e no débito cardíaco são eventos raros.

Os pacientes com policitemia vera apresentam elevada incidência de oclusão coronária; porém, como a faixa etária preferencial é dos idosos, a maioria desses pacientes já apresenta doença aterosclerótica de base. A causa mais freqüente de mortalidade, nessa doença, não é a trombose vascular decorrente da elevação da massa eritrocitária, mas decorrente da presença de história anterior de trombose, em pacientes com mais de 70 anos. A relação entre risco de trombose e idade sugere, nos pacientes com policitemia vera, que o fator vascular é fundamental para que esses eventos ocorram. Em pacientes mais jovens, essa concomitância deve-se ao hábito de fumar. Além disso, há correlação direta entre nível elevado do hematócrito e desenvolvimento de episódios trombóticos. Outra possível complicação da policitemia vera é a presença de hemorragias devido às anormalidades funcionais de plaquetas.

Estase sanguínea vascular – O sangue flui muito lentamente, quase parado no interior do vaso, propiciando a formação de coagulos (trombos).

Na evolução de longo prazo, pode haver uma fase de redução das flebotomias, com relativa diminuição da atividade da doença. Posteriormente, pode haver uma fase de exaustão da medula óssea, onde o paciente passa a ter anemia e plaquetopenia, que pode ser acompanhada de sintomas sistêmicos de febre, perda de peso e sudorese noturna.

Tags: , , , , , , , , ,


Veja Também:

Comments (20)     Envio por Email Envio por Email


Page 1 of 512345